Arquivos do Blog

Levantamento de associação conclui que alimentos industrializados no Brasil possuem mais gordura

 

fonte: TVE Brasil

Cientistas relacionam perda de memória à ingestão de ‘junk food’

hamburguer

Um grupo de cientistas da Austrália vinculou a perda de memória com a ingestão de ‘junk food’ após realizar experimentos com ratos, informou nesta terça-feira (17) a imprensa local.

Margaret Morris, chefe da pesquisa realizada pela Universidade de Nova Gales do Sul, afirmou que os ratos submetidos a uma dieta de açúcar e gorduras mostraram, seis dias após o início dos experimentos, sintomas de perda de memória ao serem submetidos a testes relacionados com a memória espacial.

“Os animais não estavam obesos após seis dias, mas as mudanças na capacidade cognitiva, como a perda da memória, ocorreram antes de qualquer variação de peso”, declarou Margaret à emissora ‘ABC’, e acrescentou que ficou surpresa com a rapidez com que os animais perderam essas faculdades mentais.

Os cientistas notaram que os ratos alimentados com uma dieta com alta concentração de gorduras e açúcar tinham uma inflamação na região do hipocampo, a parte do cérebro que está relacionada com a formação e o armazenamento da memória e uma das primeiras regiões afetadas pela mal de Alzheimer.

“Ainda é muito cedo para afirmar que existe um vínculo causal entre os dois, mas achamos que provavelmente a inflamação é altamente relevante no declive cognitivo”, comentou a cientista.

“É difícil afirmar que o mesmo ocorre com os humanos.

Mas existem dados sobre pessoas que se submeteram voluntariamente a testes em que se alimentavam de ‘junk food’ por cinco dias e que perderam suas funções executivas” apontou Margaret ao citar como exemplo que necessitavam de mais tempo para reagir.

Por outro lado, Manny Noakes, especialista em nutrição da Organização para a Pesquisa Industrial e Científica do Commonwealth (CSIRO, sigla em inglês) na Austrália disse à ‘ABC’ que o estudo traz uma reflexão sobre o impacto da ‘junk food’ nas pessoas à medida que envelhecem e em torno da conexão entre uma boa dieta e melhoras na memória.

Fonte: Agencia Efe e G1

em: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/12/cientistas-relacionam-perda-de-memoria-ingestao-de-junk-food.html

Veja cinco motivos para evitar o consumo de embutidos

?????????????????????????

 

Você certamente já deve ter ouvido falar dos embutidos.

São aqueles produtos elaborados com carne picada (principalmente suína) e condimentada.

Segundo a nutricionista Gisele Silveira são alimentos ricos em gordura, sal, açúcares, nitratos e nitritos, especiarias e conservantes

 

PRINCIPAIS EMBUTIDOS

Salame, salsicha, salsichões, pepperoni, mortadela, presunto, chester, apresuntado, bacon, carne seca e carnes enlatadas.

 

CINCO MOTIVOS PARA EVITAR O CONSUMO DE EMBUTIDOS

1 – Nitritos e nitratos – São substâncias usadas para conservação dos embutidos e alguns tipos de enlatados. O aspecto negativo é que, no estômago, se transformam em nitrosaminas, composição cientificamente cancerígena, se consumida de forma continua e abundante.

2 – Aditivos químicos – Para tornar esses alimentos mais duráveis e saborosos, é necessário o uso inúmeros aditivos químicos. Os mais comuns são: aromatizantes, corantes, antioxidantes, estabilizantes, conservantes e acidulantes. Eles são responsáveis por sabor, cheiro e aspecto natural dos alimentos industrializados. Muitos podem causar alergias e intolerâncias, além de serem nocivos em quantidades muito pequenas.

005befca

3 – Alto teor de sódio – Os conservantes são substâncias com moléculas de sódio na composição, por isso oferecem riscos à saúde até para pessoas que não sofrem de hipertensão, com picos de pressão, podendo ocasionar também retenção de líquidos.

4 – Corantes – Têm a função de colorir os alimentos, para fornecer uma aparência mais agradável e apetitosa, mas podem ocasionar alergias e, a longo prazo, gerar danos ao sistema digestório.

5 – Fontes de gordura – Principalmente saturada, responsável pelo maior acúmulo do colesterol no organismo. A maioria dos embutidos tradicionais tem o dobro de gordura das carnes in natura.

EVITE O PRESUNTO MAGRO Sim, apesar de redução de gordura, apresenta conservantes na sua composição.

008a7797 

QUEIJO POCKET TAMBÉM É PREJUDICIAL

As versões pocket também trazem risco à saúde em decorrência do alto teor de sódio, da grande quantidade de gordura (leia rótulos, alguns produtos apresentam quantidade significativa de gordura trans), e dos aditivos alimentares que constituem o produto.

EMBUTIDOS PREJUDICAM DIETAS DE EMAGRECIMENTO

Sim, principalmente por serem ricos em três componentes: gordura saturada, sódio e açúcar. Não três ingredientes que não devem fazer parte de qualquer alimentação saudável ou processo de emagrecimento.

TROCAS SAUDÁVEIS – Chester/peito de peru/mortadela 

Podem ser trocados por frango desfiado, ovos mexidos, pastas de leguminosas – tipo grão de bico, ervilha (liquidificadas com azeite de oliva e ervas finas).

A carne fresca também é uma excelente opção para ser usada no lugar dos embutidos.

005befa5

fonte: Zero Hora

em: http://wp.clicrbs.com.br/barradecereal/2013/12/19/descubra-oito-motivos-para-evitar-o-consumo-de-embutidos/?topo=13,1,1,,,13

Frutose: a baixa caloria que engorda

Fast-food-Benjamin-Chasteen-The-Epoch-Times (1)

Uma das muitas batalhas que estão ocorrendo agora no mundo é a batalha do açúcar. No entanto, o Órgão de Administração de Comida e Drogas Norte Americano (FDA), o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), e a Associação Médica Norte Americana (AMA) não reconhecem oficialmente o verdadeiro inimigo.

Robert Lustig, professor de pediatria clínica na Divisão de Endocrinologia da Universidade da Califórnia, São Francisco, estudou o metabolismo de açúcares e tratou de crianças obesas. Ele concluiu que o xarope de milho rico em frutose (HFCS), presente principalmente em refrigerantes, é o maior agente disfarçado que causa doenças crônicas e morte em qualquer indivíduo, de fetos a idosos.

O Dr. Lustig publicou suas descobertas num vídeo de 90 minutos, chamado Sugar and its bitter truths (O açúcar e suas verdades amargas), que está disponível no YouTube. No vídeo, ele demonstra que a frutose, na quantidade que ingerimos, é equivalente a veneno, especialmente para a geração mais jovem.

Nossos corpos percebem o HFCS e a sacarose (açúcar de cana ou de beterraba), como duas substâncias diferentes, muito embora a Associação de Refinadores de Milho diga frequentemente que as suas moléculas são as mesmas – tanto da frutose e como da glicose.

Diga isso para uma célula do fígado ou para uma enzima digestiva. O HFCS é enviado diretamente para o fígado, o órgão que cuida de substâncias tóxicas que ingerimos.

Antes de inventarem alimentos processados​​, o consumo de açúcar era cerca de 15 gramas diários por pessoa. Em alimentos integrais, os açúcares de frutas e vegetais são naturalmente embalados com fibras e micronutrientes, ambos os quais mitigam os efeitos negativos do açúcar.

Pouco a pouco, o nosso consumo de açúcar refinado tem aumentado ao longo dos anos. Açúcar já é ruim. Muito açúcar, do tipo que for, dispõe as pessoas ao ganho de peso, câncer e diabetes. Após a Segunda Guerra Mundial, quando pararam de racionalizá-la, começamos a ser criados para nos tornarmos viciados em açúcar.

Com o advento do HFCS na década de 1970 e sua criação a partir de enzimas e amido de milho pelos japoneses, o adoçante tornou-se mais barato, e os produtores de milho ficaram satisfeitos.

Segue abaixo uma tabela mostrando o aumento na quantidade e proporção de açúcar na dieta de todos, desde a década de 1950, de acordo com vídeo do Dr. Lustig.

tabela consumo calórico1

Os dois diferentes processos de metabolismo do açúcar ilustram porque um açúcar é um pouco melhor do que o outro e porque a frutose em HFCS, sucos de frutas e papinha para bebê está causando síndrome metabólica em crianças tão jovens como bebês de 6 meses de idade. Para adolescentes, os números são ainda mais dramáticos. Em 2009, os adolescentes, sozinhos, consumiam 73 gramas de açúcar por dia, ou 12% de suas calorias diárias. E 25% dos adolescentes consumiam pelo menos 15% de suas calorias com frutose, uma quantidade enorme.

A sacarose encontra a sacarase, uma enzima, no intestino delgado, que faz com que a sacarose seja transferida para a corrente sanguínea. A sacarose é um açúcar duplo que tem como composição metade glicose e metade frutose.

Altos teores de sacarose no sangue fazem com que o fígado informe às células beta do pâncreas para secretarem insulina, o que permite que a glicose seja recolhida por todas as células para produção de energia.

Uma parte da glicose é armazenada no fígado como glicogênio para uma futura necessidade de energia, e a outra parte é armazenada como gordura, caso não seja queimada para produzir energia. A leptina é convocada pela insulina para informar ao cérebro que o indivíduo não tem mais fome.

A frutose é processada de forma diferente. Ela chega no fígado intacta, já que a sacarase não lida com esse tipo de substância. HFCS em refrigerante têm 55% de frutose. O fígado possui uma enzima para processar a frutose, mas precisa de um fosfato, que o fígado recebe a partir do ATP, a fonte de energia feita pela mitocôndria.

O resultado deste roubo, causado pela grande quantidade de frutose, é a formação do ácido úrico e a eliminação de uma importante enzima que mantém a pressão arterial. O ácido úrico é um produto residual que predispõe a pessoa a ter gota (uma doença caracterizada pela elevação de ácido úrico no sangue).

À medida que o processo continua, várias enzimas entram em jogo, formando não só gordura no fígado, mas também nos órgãos e nos músculos. A VLDL, a gordura que reveste as artérias, e triglicerídios começam subir vertiginosamente.

Embora o fígado esteja pedindo insulina, e uma grande quantidade seja de fato enviada, os ácidos graxos em excesso formados no fígado passam por uma sequência complexa que resulta em danos nos locais onde a insulina é recebida, o que provoca resistência à insulina.

Enquanto isso, a pedido do fígado, o pâncreas bombeia a insulina para fora. Este excesso de insulina causa resistência à insulina, desliga os receptores de leptina no cérebro, e faz com que a vítima se sinta insatisfeita e ainda com fome.

Beber um refrigerante antes de uma refeição não estraga o apetite, pois a grelina, que mora no estômago e provoca a sensação de fome, não é suprimida. As calorias do refrigerante não serão registradas pelo corpo e serão transformadas em gordura pela insulina extra.

fonte: Epoch Times