Recall da Pomarola e Elefante envolve mais de 579 mil produtos

recall

O recall para recolher do mercado 3 lotes de extrato e molho de tomate das marcas Elefante e Pomarola abrange mais de meio milhão latas e sachês, segundo informou nesta sexta-feira (2) a Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Cidadania (Senacon).

A Cargill Agrícola, dona das marcas, anunciou no final de agosto o início da campanha de chamamento, mas até então não tinha divulgado a quantidade de produtos envolvidos no recall devido a presença por lotes com pelo de roedor acima do limite máximo.

Segundo a Senacon, a documentação do recall protocolada no ministério abrange 334.704 produtos, produzidos em 18 de outubro de 2014 com numeração de lote 011810 e 244.464 produtos, fabricados entre 25 de fevereiro e 09 de março de 2016, com numeração de lote 030903 e 032502 – totalizando 579.168 produtos.

O recall dos lotes de extrato e molho de tomate acontece após 3 lotes terem tido a venda e distribuição proibidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) devido à existência de fragmentos de pelo de roedor acima do limite máximo de tolerância.

Os consumidores que tenham produtos desses lotes devem entrar em contato com a Cargill pelo telefone 0800 648 0808. “O Código de Defesa do Consumidor determina que o fornecedor repare ou troque o produto defeituoso a qualquer momento e de forma gratuita. Se houver dificuldade, a recomendação é procurar um dos órgãos de proteção e defesa do consumidor”, orienta a Senacon.

Confira os lotes atingidos pelo recall
O recall envolve os seguinte lotes:
– Lote L011810 do extrato de tomate, da marca Elefante, embalagem lata de 340 gramas, com validade 07/10/2016 (334.704 produtos)

– Lote L032502 do extrato de tomate, da marca Elefante, embalagem sachê de 190 gramas, com validade 18/08/2017, e lote 030903 do molho de tomate tradicional, da marca Pomarola, embalagem sachê de 340 gramas, com validade 31/08/2017 (244.464 produtos)

Riscos
Os limites para a presença de “matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas”, incluindo limites de tolerância para roedores e insetos, são definidos por resolução da Anvisa de 28 de março de 2014. Para fragmentos de pelos de roedor, o limite de tolerância estabelecido é de 1 em 100 g para produtos de tomate.

“Quanto aos riscos à saúde e à segurança dos consumidores, a Cargill informou ter detectado a possibilidade de ‘existência de fragmentos de pelo de roedor acima do limite máximo de tolerância’. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária informou que o fato é “indicativo de risco à saúde humana”, diz a Secacon.

Procurada pelo G1, a Cargill não informou a quantidade de produtos já recolhidos do mercado ou o número de consumidores que já entraram em contato com a empresa.

“A Cargill assegura que estes produtos não oferecem quaisquer riscos para a saúde dos consumidores e reitera o seu compromisso com o cumprimento de todas as normas de segurança dos alimentos e padrões de higiene”, reafirmou.

Sobre mestre

Descendente de um Ronin... que através do caminho dos santos tenha chegar ao Eterno!

Publicado em 10 de setembro de 2016, em Food Safety, Legislação e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: