Qualidade nutricional é maior desafio de segurança alimentar, diz pesquisadora da Embrapa

alimentosfeijao110420150835_610

 

O grande desafio do Brasil na área da segurança alimentar será pensar na questão nutricional, disse ontem (10) à Agência Brasil a chefe-geral da Embrapa Agroindústria de Alimentos, Lourdes Cabral.

“O Brasil saiu daquele patamar de país de pessoas com fome. Hoje não existe mais isso. Nós temos soberania alimentar, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura [FAO]”, disse ela, mas destacou que essa disponibilidade tem de ser atrelada agora à qualidade nutricional, com alimentos seguros.

Dentro do desafio de disponibilizar para a população alimentos com alto teor nutritivo, Lourdes Cabral destacou a importância de atividades como pesquisa e desenvolvimento. Um dos grandes problemas atuais detectados pela FAO é a questão das perdas ao longo da cadeia produtiva. Segundo Lourdes, do campo até a mesa do consumidor, ocorrem entre 30% e 50% de perdas, às quais se soma também o desperdício. “Aquela comida que, muitas vezes, é deixada no prato; o que sobra nos restaurantes. Este é um trabalho no qual podemos colaborar bastante”, ressaltou.

A Embrapa Agroindústria de Alimentos – da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – tem uma área de pós-colheita onde trabalha com a redução de perdas, por meio do uso de embalagens adequadas para alimentos, técnicas de conservação – “o próprio processamento, que permite que o alimento saia do Nordeste e chegue à Região Sudeste com qualidade adequada. Essas são as diferentes linhas de pesquisa com as quais  trabalhamos aqui e que podem colaborar na questão das perdas.”

Pesquisas são feitas também na área de qualidade alimentar. Um exemplo é o projeto de biofortificação de alimentos. Alguns produtos que integram a cesta básica do consumidor brasileiro – arroz, feijão, batata-doce e mandioca – são submetidos a processos de melhoramento genético clássico, o que aumenta o teor de alguns minerais e vitaminas. Outra área importante de pesquisa é a questão dos riscos.

“Não adianta ofertar para a população produtos ou alimentos que não sejam seguros”, disse ela, citando o caso de peixes contaminados por mercúrio ou alimentos que apresentam contaminação microbiológica. A Embrapa Agroindústria de Alimentos contribui nessa área com o desenvolvimento e implementação de técnicas de análise. O conhecimento desenvolvido tem que servir de apoio para a formação de algumas políticas de governo, indicou Lourdes.

Engenheira química, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Lourdes defende o aprimoramento contínuo das políticas públicas. O objetivo agora é aumentar a segurança em termos de disponibilidade de alimentos para a população com a redução das perdas. “Quando há perdas ao longo da cadeia, além do alimento em si, perde-se água e energia, entre outros insumos usados.”

Lourdes apontou como um bom projeto para a redução do desperdício o Cozinha Brasil, desenvolvido pelo Serviço Social da Indústria (Sesi). Para ela, iniciativas como essa devem ser incentivadas para que se reduzam o desperdício e as perdas de alimentos, evitando que estes tenham o lixo como destino. A Embrapa pode somar nesse esforço, porque conhece as técnicas de processamento que contribuem para que alimentos que não estejam aptos para consumo à mesa, mas ainda são alimentos seguros, sejam transformados em doces, por exemplo, de forma a ter vida útil mais longa e a servir a um número maior de pessoas.

Para colaborar com as discussões da 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em novembro deste ano, em Brasília, a Embrapa Agroindústria de Alimentos organizou nesta sexta-feira mesa redonda que reuniu especialistas sobre o tema, com foco nas políticas em vigor. A conferência terá como lema “Comida de verdade no campo e na cidade: por direitos e soberania alimentar”. O evento será precedido de etapas locais e municipais, até junho, e de etapas estaduais, até agosto.

A unidade da Embrapa, sediada no Rio de Janeiro, fará mais três oficinas ao longo do ano – em interface com a conferência nacional –, que debaterão redução de perdas, risco alimentar e qualidade de alimentos. Todos relacionados à segurança alimentar e nutricional e às pesquisas desenvolvidas pela empresa.

 

fonte: Serrano

em:http://www.oserrano.com.br/view.asp?tipo=Local&id=37022

Anúncios

Publicado em 11 de abril de 2015, em Nutrição e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: