Falta de hábitos de higiene podem contaminar lanches em Umuarama

p_4SQH3N17-EMS6_lanche%20cor

Pesquisa realizada por especialistas do curso de pós-graduação em Vigilância Sanitária e Epidemiologia em Saúde, da Universidade Paranaense (Unipar), revelou a necessidade de melhores hábitos de higiene e manuseio de alimentos em lanches feitos em alguns trailers de Umuarama. O resultado indicou a contaminação de 53% dos lanches analisados com a bactéria Staphylococcus.
Foram dois estudos feitos em 2013, sendo o primeiro para identificar se as normas de higiene e manuseio estavam sendo compridas, como uso de toucas, luvas, jaleco e máscaras. Em seguida, a analise estudou a qualidade de higiene sanitária do lanche tipo x-salada feito em alguns trailers da cidade.
Conforme o professor doutor da Unipar, Luiz Sérgio Merlini, foram adquiridos 30 lanches, tipo x-salada, em 15 estabelecimentos, sendo dois
de cada comércio localizados no centro da cidade e comprados em dias e horários diferentes. “O lanche se tornou uma alternativa de alimento rápido e barato, com alto consumo em Umuarama. Por isso foi feita o estudo na regional central da cidade”, disse.
Entre os itens pesquisados, o estudo concluiu o pouco uso de roupas adequadas, como também de equipamentos de higiene, que levam a contaminação do lanche com bactérias nocivas ao ser humano. “Muitos não utilizam luvas, máscaras, avental e touca. O trailer por estar em um local de fácil contaminação, a rua, a falta desses utensílios ajuda na contaminação do alimento”, explicou a especialista Lucia Maria Nunes.
As analises laboratoriais encontraram nos x-saladas adquiridos uma alta contaminação pela bactéria Staphylococcus coagulase. Segundo o especialista Ivan Lazzarim Begotti, o estudo demonstra que as condições higiênicas sanitárias estão insatisfatórias, devido ao contágio da bactéria que é natural da mão e mucosa do ser humano. “A bactéria aparece pela falta de hábitos de higiene na manipulação dos alimentos, por isso a necessidade de mascara, luva e claro lavar as mãos para manipular os produtos. Não pode pegar no dinheiro e no lanche”, explicou.
Ainda segundo Lúcia, o agente encontrado pode levar a intoxicação alimentar, promovendo vômitos e dor de cabeça. “Os registros de pessoas com intoxicação alimentar nos hospitais da cidade só não é maior, pois o consumidor do tipo de alimento é o publico jovem. Se fossem idosos teríamos muito mais pessoas nos hospitais e com o tempo esse tipo de problema pode levar a outras patologias, como ulcera e gastrite”, alertou.
A pesquisa foi feita pelos especialistas, mestres e doutor: Lucia Maria Nunes, Odair Betanim, Ivan Lazzarim Begotti, Bruna Karen Cardoso, Luiz Sérgio Merlini.
Orientações e melhorias
Para o professor Luiz Sérgio Merlini, a Vigilância Sanitária Municipal precisa antes de tudo, além de fiscalização, oferecer treinamentos e orientações para os lancheiros visando a qualidade alimentar da população de Umuarama, como também dos produtos ofertados. “Tirar as vendas do local não vai adiantar. É necessário levar informações para a oferta de um alimento com saúde. Precisa oferecer curso de boas maneiras”, ressaltou. A coordenadora municipal de vigilância sanitária, Renata Petitto, informou que a fiscalização nos lanches ocorre de forma rotineira e quando é ofertado campanhas, momento também de orientações para os hábitos de higiene aos trabalhadores.
Lancheiros
No trailer de Sinei Soares as regras de higiene são levadas a sério. Os funcionários que trabalham em contato com o alimento utilizam toucas, luvas e máscaras. Conforme o comerciante, existe a necessidade de maior atuação da vigilância sanitária no sentido de ofertar orientações para os trabalhadores do município. “Todos queremos trabalhar para sustentar nossas famílias, como nossos funcionários. Por isso precisamos de incentivos do município, não de situações para acabar com nosso comércio”, disse.
em:http://www.ilustrado.com.br/jornal/ExibeNoticia.aspx?NotID=56514&Not=Falta%20de%20h%C3%A1bitos%20de%20higiene%20podem%20contaminar%20lanches%20em%20Umuarama

Anúncios

Publicado em 25 de julho de 2014, em Food Safety. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: