Como evitar e eliminar metais tóxicos do corpo – Parte 1

sb-metais-toxicos-corpo

O que está errado quando as pessoas se alimentam de forma saudável, mas continuam a sofrer de problemas de saúde significativos? Por que tantas pessoas tentam comer gordura boa, mas descobrem que não podem digeri-las?

Qual é a razão para o estresse digestivo, apesar de tomar probióticos de alta qualidade e consumir sopa e alimentos cultivados? Por que alguns bebês ficam doentes mesmo quando os pais se alimentam de uma dieta nutritiva anterior à concepção e durante a gravidez e a lactação?

A resposta pode ser: metais tóxicos. Embora possamos honrar nosso templo corpóreo com alimentos nutritivos, não podemos realizar nosso potencial completo enquanto continuarmos usando sem eficiência depósitos de lixo para mercúrio, alumínio, cádmio, arsênico, chumbo e níquel.

Até mesmo os “metais preciosos”, como ouro, prata e platina, podem criar problemas. Quando os misturamos bem com uma dose de cloro e flúor, encontrados em abundância nos reservatórios de água municipais, não é nenhuma surpresa que tantos de nós fiquemos doentes e cansados.

Ao longo das últimas décadas, profissionais da saúde também começaram a ver mais e mais pessoas “brilhando no escuro” por causa do desperdício de armas nucleares. Suspeita-se que uso de armas do chamado “urânio empobrecido” em conflitos armados contribuiu para a Síndrome da Guerra do Golfo, uma série de problemas de saúde associados à Guerra do Golfo, assim como à Guerra do Iraque e outros conflitos.

Os estabelecimentos médicos atualmente reconhecem apenas toxicidade por metal aguda, o tipo que leva à dor, a sintomas repentinos e severos, incluindo câimbra, náusea, vômito, suor, dores de cabeça, dificuldade respiratória, convulsões e deficiência cognitiva, motora e da fala.

Com a toxicidade por metal aguda, os efeitos gerados pelo consumo, pela inalação, pelo contato com a pele ou por outras exposições são claros. As toxicidades agudas ocorrem mais frequentemente em locais de trabalho onde os trabalhadores são expostos a substâncias prejudiciais à saúde, embora acidentes ocorram na porta de casa também.

Pesticidas, herbicidas e fertilizantes químicos utilizados em casas e escolas, por exemplo, são algumas das razões comuns pelas quais pessoas anteriormente saudáveis juntam-se à classificação das quimicamente sensíveis e ambientalmente doentes.

Em 1986, o Congresso americano estabeleceu a Agência para Substâncias Tóxicas e Registro de Doenças (ATSDR) do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, a fim de lidar com os efeitos das substâncias ambientais nocivas à saúde humana.

Em cooperação com a Agência Americana de Proteção Ambiental, a ATSDR anualmente compila listas de prioridade de substâncias nocivas. Entre as 275 substâncias na lista de 2007, o arsênico é o número um, o chumbo vem em segundo, o mercúrio em terceiro e o cádmio em sétimo. Desses quatro terríveis, o mercúrio é o mais estudado, mas todos os quatro têm efeitos adversos similares no corpo.

Na próxima semana: Parte 2 sobre os efeitos da exposição crônica a toxinas

Kaayla T. Daniel, Ph.D., CCN, é licenciada como nutricionista clínica e escreve sobre saúde
Galen D. Knight, Ph.D. é bioquímico e escreve sobre saúde

fonte: Epoch Times

em: http://www.epochtimes.com.br/como-evitar-eliminar-metais-toxicos-corpo-parte-1/#.U2KhUPldUlJ

Anúncios

Publicado em 26 de maio de 2014, em Contaminantes, Food Safety e marcado como . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: